19 de mar de 2009

UM CONTO DE SÃO JOSÉ



No alpendre da casa uma roda de camaradas discute sobre o que acabou de falar o representante político na moderníssima, para a época, televisão Telefunken. A conversa é cheia de concordâncias e discordâncias que parece não chegarem a um consenso.

Um homem magro e de tez queimada pelo sol, cigarro pendurado no canto da boca, falava dos compadres que moravam pelas bandas do alto verde. Haviam perdido a criação devido à seca, “a plantação se tinha queimado até o pé”, lamentava, meneando a cabeça e alteando a voz, prosseguiu, exaltando o plano de emergência do governo, “isso é que ainda livra os pobres da morte”, dizia.

“Mas tem pobre que hoje em dia não quer mais trabalhar, quer só esperar das autoridade o de comer”, dizia outro homem acocorado no peitoril. Apontando o dedo em riste para a audiência lamentava: “tenho pena desse homem”.

“Ainda bem que tem carnaúba por essas bandas pra que os magricelos dos bezerros possam comer, porque ajuda dos coronéis nunca chegou por aqui”, orgulhava-se o dono da casa que, na redondeza, era conhecido como pobre rico.

“A mulher da televisão falou que tem canto no Ceará que nem água tem para beber. E olhe que nem esperança de chuva os homens da Funceme estão dando”, informava um caboclo que continuava a fala cheio de esperança ao se lembrar que se aproximava o 19 de março.

No meio da animada conversa a dona da casa traz um bule de café esfumaçante e um pacote de bolachas doces deitado num prato de plástico azul, de merenda escolar. Como do nada aparecem, saltitantes, as crianças que levam mancheias dos biscoitos doces à boca.

A prosa continuou o assunto, porém, mudara. Agora versavam sobre o cemitério para anjinhos que um vereador da região empreendeu construir perto da casa onde estavam. “Isso é falta do que fazer”, sentenciou o mais velho da roda, “por que não fez isso ao menos longe da estrada dos carros grandes?”, questionava o idoso.

Aos poucos a prosa desfez-se e a turma se enveredou cada um para sua casa, sumindo na noite. O pequeno que antes escutava ao lado do pai, o dono da casa, a conversa dos homens grandes, encolhia-se ao fundo da rede, ouve abismado os respingos de chuva que há muito não eram escutados. E em seu coração se confirmava a certeza de que junto ao dia de são José se aproximava a chuva e, com ela, a esperança de que tudo poderia ser diferente naquele lugar.

Vanderlúcio Souza

Nenhum comentário: