27 de nov de 2010

Suvaco de Caçote vira febre na cena musical

Novo DVD homenageia os Caçotes
A banda suvaco de caçote nasceu no Ceará e ganhou o mundo na defesa dos roedores maltratados do estado. O grupo começou de modo despretencioso e se tornou um dos fenômenos mundiais, granjeando para si uma legião de fãs.

Tudo começou quando um grupo de extermínio matou uma centena de caçotes e torturou outras tantas. Os malfeitores toravam as patas dianteiras dos animais e terminavam a tortura fazendo cócegas nos roedores até a morte.

Um grupo de amigos se juntaram na defesa dos animais flagelados e formaram uma banda para denunciar a carnificina através da arte. O sucesso foi total. A Suvaco de Caçote se prepara para gravar o terceiro DVD e já teve clipes gravados com ícones da música mundial.

A última surpresa do grupo foi a visita de Angelina Jolie à sede da insituição, em Piquet Carneiro. A atriz ficou comovida com a atrocidade cometida contra os animais e adotou dois que haviam acabado de chegar no caçotoário. "Temos que fazer nossa cota de trabalho social", diz Jolie.

Já a polêmica Lei de Gaga causou frisson ao ir para uma festa com bolsa feita de couro de caçote. A atitude causou rebiliço e a união amigos do caçote entrou com um processo internacional contra a pop-star.

"Os caçotes são nossa inspiração", diz o líder da banda, Raimundin do mé. "Nosso próximo DVD gravaremos no meios dos matos de Piquet Carneito, habitat dos animais para denunciar os maus tratos sofridos pela espécie", continua.

O objetivo é sensibilizar a sociedade a se posicionarem contra a  tortura dos animais. Raimundi cria um desde criança e não se importa quando dizem que ele tem a cara de um.

21 de nov de 2010

"Confissões" de Agostinho recebeu nome graças à dica da Tia

Grandes Personalidades Desconhecidas da Humanidade: Nesta seção você encontrará figuras notáveis da sociedade de todas as épocas, até então desconhecidas.
Raimundinha de Hipona (295 - 373 d.C)

Cristã de elevada piedade e dona do maior salão de beleza de Hipona, estamos falando Raimundinha,a simpática e bem humorada irmã de Mônica, tia de Agostinho.

"Polcher" era o nome de seu salão de beleza que recebia os mais diversos tipos de personalidades. Raimundinha guardava com extremo cuidado uma cópia da original carta aos Diognetos cujo conteúdo era uma retratação da vida dos primeiros cristãos.

Muitas foram as noites passadas em claro desta mulher fazendo vigília em intercessão pelo sobrinho, juntamente com a irmã caçula Mônica.

Após receber a graça que tanto havia pedido, Mundica, como era conhecida na pacata cidade, incentivou Agostinho a escrever seu testemunho de vida e sabendo de sua incrível inteligência pediu-lhe que, associado ao testemunho, escrevesse textos que pudessem combater e refutar as correntes de pensamento filosóficas e heréticas da época.

Mundica surpreendeu-se ao receber das mãos de Agostinho, em seu salão, o rascunho intitulado "pronto, falei" no qual era narrado a vida e conversão do pensador, agora, cristão.

Agostinho fez questão, enquanto seus cabelos eram cortados pela tia, de comentar alguns trechos da recente obra. Mundica não resistiu e chorou de emoção. Ao final fez apenas uma observação ao talentoso escritor, que mudasse o nome do livro para "Confissões". A dica foi aceita.

20 de nov de 2010

McCartney escuta Moido

Ex-beatles ouve moído
Moido no repertório do roqueiro

O astro Paul MacCartney  driblou as centenas de fãs que cercavam o hotel e foi pedalar num conhecido parque em São Paulo. Um blogueiro registrou o ex-Beatles pedalando uma monark junto com a namorada.

Os seguranças ao percebrem o jovem curioso tentaram impedir o registro de imagem. Durante a confusão, MacCartney conseguiu "fugir" do assédio do fotógrafo deixando , no entanto, cair seu mp3. O blogueiro atento apanhou o objeto e a surpresa estava no repertório musical do aparelho. Entre os álbuns de Rosana e Luan Santana encontrava-se algumas músicas da banda cearense Forró do moido.

Feijão preto na berlinda

Organização empreende campanha para retirada de feijão preto nas feijoadas
Grãos com dias contados em prato típico
O feijão preto está com os dias contados como ingrediente da feijoada, um dos pratos mais típicos do Brasil. A organização Unidos por uma Consciência Afrodescedente - UCAD - entrou com representação junto ao Ministério Público para a proibição da utilização dos grãos.

Segundo a organização, o motivo da representação é simples, combater o racismo. "Por que não se faz uma feijoada com feijão branco? Por que tem que ser preto?", questiona Alfredo Silva, presidente da UCAD. Uma saída apontada pela organização é substituir os grãos negros pelos feijões albinos, um tipo desenvolvido em laboratório e presente nas prateleiras dos principais supermercados.

O debate sobre a retirada do feijão preto das cozinhas acirrou o debate sobre o racismo e divide opiniões. Para o líder da liga da mistura étnica ,Ariosvaldo Genildo, a atitude em si é preconceituosa. "Depois vão querer proibir a utilização do feijão albino alegando o mesmo motivo de racismo", explica.

E mais:

O embate pelo visto está só no início. Outras atividades se encontram na agenda da UCAD e prometem ainda mais polêmicas. A próxima investida do grupo será em conjunto com entidades ambientais e visam a proteção dos gatos e galinhas pretas, animais perseguidos por sua cor, conforme acenou Silva ao SOBRETUDO.

Nova Linha



A partir de hoje este blog entra numa nova linha editorial. Aqui você encontrará comédia e ficção como se fosse notícias séria e real. Além disso, dicas, vídeos e coisas do gênero. Espero que você goste desta nova fase.