4 de mai de 2012

Um conto sobre a Unidade


[conto]

Rui, Guanes e Rostabal. Estes são os nomes dos três irmãos do conto O Tesouro, de Eça de Queiroz, literato da língua portuguesa. Bem pequena, a história da trinca  revela o reverso do coração humano, o que este é capaz de fazer quando se afoga nas águas da maldade.

Certa vez, ao andar pelas terras de Roquelane, a tríade consanguínea achou um velho cofre que conservava três chaves. Ao abri-lo, um incêndio de ouro e pedrarias invadiu a visão. Após o estupor da descoberta, entreolharam-se desconfiadamente e chegaram em consenso à conclusão: a peso de balança dividiriam o tesouro encontrado; antes porém, escolheram Guanes para ir à cidade vizinha, a fim de comprar víveres e ‘três botelhas de vinho’, afinal estavam esfaimados e precisavam comemorar o achado.


À ausência do irmão, Rui, num argumento ludibrioso e ladino enlaça Rostabal e convence-o, ao retorno de Guanes, tirar-lhe a vida para que pudessem dividir somente entre os dois o ouro.

“Ambos se emboscaram por trás de um silvado, que dominava o atalho, estreito e pedregoso como um leito de torrente. Rostabal, assolapado na vala, tinha já a espada nua. Um vento leve arrepiou na encosta as folhas de álamos [...] Rostabal rompeu de entre a sarça por uma brecha, atirou o braço, a longa espada; — e toda lâmina se embebeu molemente na ilharga de Guanes, quando ao rumor, bruscamente, ele se virara na sela. Com um surdo arranco, tombou de lado, sobre as pedras.” (Eça de Queiroz, Contos, O Tesouro. Ediouro:1996)

Com o coração entregue à vileza, Rui não dá trégua à sua maquinação malévola; traiçoeiramente perpassa a folha de sua navalha nas costas de Guanes que encontrava-se de bruços, lavando o rosto ainda respigado do sangue de seu irmão Rostabal.

Cego pela maldade e seduzido pelo brilho das pedrarias que incandesceu sua mente, Rui passou a solver em goles lentos o vinho trazido por Rostabal, agora inerte ao lado do outro cadáver, o de Guanes.

O desejo exacerbado e mórbido pelo poder, também havia encontrado alojamento no coração de Rostabal. Ao comprar os víveres na cidade, adquiriu somente duas botelhas de vinho às quais misturou veneno mortal comprado no comércio  de Roquelane. Numa armação,  também planejava ficar sozinho com o tesouro encontrado.

Diante do cofre cheio de dobrões de ouro achava-se estendido à mercê das aves carnívoras os corpos inertes de Rui, Guanes e Rostabal, vítimas da própria ganância.

******
Quando li esse conto trágico, aprendi pela via negativa que, ao quebrarmos a unidade, colocamos em risco a vida de nosso irmão, a nossa própria e a da comunidade da qual pertencemos.

Quando o vetor das relações são, apenas e somente, sentimentos superficiais ditados pela concupiscência, encontram entrada larga a indiferença e o individualismo, braços indolentes que arremessam a pessoa como pássaro à rocha deixando-o arquejar no próprio sangue .

Somente a graça de Deus pode gerar comunhão, a perfeita Koinonia, a comunhão da Trindade, contínuo "derramar" e "acolher' de amor que é ‘paciente, prestativo, não é invejoso, não se ostenta, não se incha de orgulho, nada faz de inconveniente, não procura o seu próprio interesse, não se irrita, não guarda rancor, não se alegra com a injustiça, regozija-se com a verdade, do outro, tudo desculpa, crê, espera e suporta’ (Cf: I Cor 13,3-8).

Os movimentos de inveja, ganância e individualismo como fortes vagas fizeram quedar mortalmente Rui, Guanes e Rostabal. A fuligem da maldade degustou seus corações, cegou-lhes a visão, empederniu até mesmo o fato de serem filhos do mesmo sangue.

Diante de nossos irmãos, a Caridade de Cristo é a única virtude que pode permear de bondade e proteger os arrancos selvagens de nosso coração contra a bondade. Esta Caridade é possível e a história dos três irmãos de Roquelane poderia ser diferente, a começar se o autor acreditasse no Autor do amor, doador da Caridade fraterna.

Nenhum comentário: