8 de nov de 2008

PELA PORTABILIDADE DO EVANGELHO







Inter Mirifica é o decreto do Concílio Vaticano II que trata sobre a utilização dos meios de comunicação para a evangelização, no No- 13 o texto é categórico: “Procurem, de comum acordo, todos os filhos da Igreja que os meios de comunicação social se utilizem, sem demora e com o máximo empenho nas mais variadas formas de apostolado, tal como o exigem as realidades e as circunstâncias do nosso tempo”.

Nosso tempo é testemunha do avanço tecnológico e chegamos à era da portabilidade, tudo convergindo para um só lugar, “na área multimídia podemos aqui fazer tudo, uma simples câmara e editamos imagem, o som brutal do leitor MP3 e rádio WiFi. A conectividade permitirá a troca de informação simplificada, portas USB, Bluetooth, Firewire, WiFi, GPRS, UMTS, VOIP e IPTV”, afirma Vítor M. do site Peopleware.

Paulo, o Apóstolo inflamado de parresia, em sua evangelização foi inovador no método e nos meios de anunciar o Evangelho. Não se restringiu à oralidade para testemunhar Jesus Cristo lançou mão da escrita para obter êxito na conquista e formação de novos cristãos.

Na época o Apóstolo dos gentios utilizou-se das estradas construídas pelo império romano a fim de escoarem melhor os tributos e favorecer o deslocamento das tropas, além de agilizar a comunicação entre os grandes centros urbanos,a cada 30 km existiam postos de correios com hospedaria e cavalos descansados.

De Paulo a nossos dias nos separam praticamente dois mil anos. Nesse longo hiato de tempo o Evangelho não mudou, entretanto, a forma de anunciá-lo multiplicou-se com o avanço tecnológico e não podemos ficar à margem das tecno-vias que nos apresenta o mundo pós-moderno.

O papa Bento XVI toca em pontos nodais em seu pontificado sendo um deles a evangelização através dos diversos meios de comunicação social existentes. E como um profundo conhecedor de seu tempo não exita em utilizar-se desses recursos para lançar a boa semente do evangelho.

A JMJ 2008, o encontro do papa com os jovens de todo mundo teve a cara e a linguagem dessa geração. O papa enviou torpedos, telões de LED foram espalhados no meio da multidão formando "outdoors digitais de oração", um site de relacionamento, uma espécie de facebook católico (http://www.xt3.com/) foi criado por ocasião da Jornada e o papa também enviou mensagem a essa comunidade virtual de relacionamento.

O site do Vaticano é um primor de visibilidade; A Home Page do estado do Vaticano possui diversas câmeras que mostram em tempo real imagens de diversas partes da cidade como da Praça de São Pedro e do túmulo de João Paulo II.

A messe virtual é enorme e os operários são poucos, pouquíssimos. E poderíamos nos perguntar parafraseando Paulo, “Como haverá fé nesse ambiente virtual se não há quem pregue?” Como haverá anúncio eficaz se não existe quem o faça com qualidade e tecnologia de ponta?

A pessoa de Jesus Cristo precisa ser ministrada ao homem de hoje com beleza e fascínio no cyber espaço e isto se faz através de um planejamento ousado que possibilite investimento de cada instituição católica em TI (tecnologia de informação).

Os sites, blog’s, fotolog’s, flickr,rss, podcast, videocast, twitter,Second Life, Celulares dentre outras, são infovias, ainda, pouco utilizadas pelos católicos para difusão do evangelho.
Todos esses meios estão à disposição e quando são orientados para a evangelização e formação agrada os internautas. Prova disso foi a iniciativa de Dom Francisco Paulo Machado, bispo de Uberlândia que criou um blog sobre liturgia, no início de 2008.

O blog liturgiaemfoco.zip.net é hospedado gratuitamente num site de referência para a blogosfera nacional, não dispõe de muitos recursos visuais e, mesmo assim, atrai centenas de visitantes todos os dias. É bem verdade que o blog poderia ser alimentado com maior freqüência pela grande importância do tema tratado e a riqueza de ensinamento contida nos posts.

Diante do vasto campo a desbravar poderíamos pensar como seria diferente os processos burocráticos de uma cúria, secretaria paroquial ou Nova Comunidade informatizados. E o que dizer da possibilidade de se fazer inscrições para cursos, encontros e retiros on-line? Poder retirar documentos importantes pela internet como certidão de batismo, crisma, etc; ter a bíblia e liturgia das horas digitalizada em todas as versões ou mesmo “falada” na memória de um mp3, ipod e congêneres; ter centros de formação virtual ou semipresencial integrados permitindo, por exemplo, a participação de especialistas de outros estados e países em videoconferência...

Bem, os meios de comunicação com suas ferramentas estão são amorais, depende da ação de cada evangelizador do século XXI transformá-los em arautos da verdade, em telhados dos quais se propaga com franqueza e ousadia a Boa Nova da paixão, morte e ressurreição de nosso Senhor, Ele que é sempre real, mesmo no mundo virtual.

Quase nada fizemos até aqui nessa área! Mas isso não nos deve desanimar, contamos com a graça de Deus que pode transformar o tempo virtual perdido em Kairós e assim atingirmos a muitos com a força do evangelho.

Em tempos de portabilidade da comunicação o evangelho não pode ficar de fora. Assim como a Bíblia esteve no início da imprensa escrita precisamos levá-la com todo seu conteúdo para a era da portabilidade.

Vanderlúcio Souza