7 de jun de 2008

PROJETO DE MORTE REJEITADO


Um suspiro ético foi dado em nosso país na quarta – feira, 08 de maio, os deputados, membros da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara, em unanimidade rejeitaram o projeto de legalização do aborto que, se arrastava por mais de quinze anos.
Em dias em que o Brasil e o mundo são impactados com notícias de violência à criança como, o caso da menina Isabella, arremessada pela janela; do bebê de dez meses do Bom Jardim,em Fortaleza que foi estuprado pelo padrinho; da filha do austríaco Frizzell, abusada e escravizada pelo pai, podemos acender uma chama de esperança ao saber que milhares de inocentes serão poupados de uma sentença mortal, apoiada pelo estado.
Acredita-se que também na Comissão de Constituição e Justiça, local onde o projeto será encaminhado para votação seja rejeitado. Votar contra o aborto é permanecer a favor da vida, que pulsa desde o primeiro instante da concepção, na pessoa humana.
As mulheres que abortaram deliberadamente, conscientes em sua decisão ou coagidas por circunstâncias exteriores trazem seqüelas emocionais, psicológicas e não poucas vezes físicas. No debate que a sociedade vem desenvolvendo por um longo período,no Brasil desde 1991, sobre o tema, está se constatando que um crime não repara outro e só causa mais violência e dano à mulher.
Atentar contra a vida em seu estágio inicial possibilita abrir uma janela para entrar toda sorte de violência à comunidade humana que, tem por obrigação primeira,e,isso é garantido pela constituição, defender os nascituros.
Resta agora promover e avalizar a estes que foi garantido o direito de nascer o direito a ter todas as condições básicas de sobrevivência, entre elas, a segurança. É inconcebível acatar quaisquer tipos de agressão a um indefeso e criado totalmente dependente de nossos cuidados.
Com esse lume de esperança aceso podemos respirar mais aliviados em tempos em que se ferem mortalmente os nascidos do próprio sangue.

Vanderlúcio Souza

Nenhum comentário: